Hosanna

sexta-feira, 28 de março de 2014


Hosanna (heb.): Salva-nos, te pedimos!

É a saudação de numerosas pessoas, que viram passar o Salvador, na ocasião da sua entrada triunfal em Jerusalém. Era uma forma de louvor, muito conhecida entre os judeus (Mt 21:9-15; Mc 11:9-10; Jo 12:13). O Salmo 118, do qual foi tirada a exclamação hosanna, era familiar aos israelitas, e mesmo às crianças, pois que os versículos 25 e 26 eram também recitados na Festa dos Tabernáculos, sendo então cantado o Grande Hallel (Salmos 113 a 118) por um dos sacerdotes. Em certos intervalos as multidões agitavam os seus ramos de salgueiro e de palmeira, gritando hosanna ou aleluia. No decorrer do tempo os ramos de salgueiro se chamaram hosannas, e o sétimo dia de festa era denominado a Grande Hosanna.
"Salva-nos, agora, te pedimos, ó SENHOR; ó SENHOR, te pedimos, prospera-nos. Bendito aquele que vem em nome do SENHOR; nós vos bendizemos desde a casa do SENHOR."
Salmo 118: 25, 26.

Diego Rodrigo Souza/O.S.Boyer

Pequena Enciclopédia de O.S.Boyer

Uma breve reflexão sobre a "Shekinah"

A maioria dos cristãos traduz ou entende que o termo “shekinah” é ou se refere a “glória de Deus manifesta”. Porém, eles próprios reconhecem que esta expressão não está na Bíblia. Outros sugerem que a “shekinah” é o equivalente judaico mais próximo do Espírito Santo, o que não parece ser correto. Afinal, o termo é extra-bíblico, aparecendo nos Targuns e sendo utilizado no Talmude. 

O vocábulo hebraico “shekinah” não aparece na Bíblia. O verbo “shakan”, por sua vez, é utilizado em muitos lugares e pode ser traduzido como “habitar, morar ou residir”. Em Ex 3:22 e Rt 4:17, o verbo “shaken” é traduzido por “vizinho”. Nesse sentido, é estranho enfatizar que o termo seja usado para a habitação de Deus na coluna de fogo e sua glória manifesta no Monte Sinai, no Propiciatório (entre os querubins), no Tabernáculo, no Templo. Bom, todas essas expressões no hebraico têm outras palavras que a designam. Vejamos quatro exemplos principais:

Coluna de Fogo - amud esh 
Glória de Deus - kabod yahweh 
Coluna de Nuvem - amud hamud 
Fumaça - hasan 

Entenda: se alguém definir “shekinah” como a manifestação visível da glória de Deus não está descrevendo a “shekinah”, mas sim “teofanias”, que possuem várias formas e propósitos. Esse é um assunto para outra pastoral; foquemos na “shekinah”.

Há vários problemas ao redor da temática. O termo tem uso esotérico, por exemplo. De acordo com a concepção cabalística e do ramo hassidísmo do judaísmo, a Shekinah é uma energia cósmica poderosíssima, que habita no "interior" do Universo e vivifica-o, sendo a sua "alma" ou "espírito". Na cabala esotérica, “shekinah” é a essência do “Ain Soph” que, emanado, ficou preso ou enroscado em Malkuth, sendo correspondente à Shakti ou Kundalini na tradição esotérica oriental da Yoga. Segundo o livro cabalístico Zohar, a evolução do homem é o processo em que o pólo feminino do Divino (shekinah), presente potencialmente na criação e no homem (malkuth), se une ao pólo masculino da Divindade (kether). Tal reunião é apresentada na tradição “rosacruz” pelas Núpcias Alquímicas de Christian Rosenkreutz. Segundo a tradição da cabala, a reunião dos dois pólos da Divindade resulta em uma consciência cósmica ou crística, de união do homem e do divino, resultando no “Homem-Deus ou Cristo”. Tal estado de consciência é equivalente na Yoga, ao Samadhi, a consciência produto de quando Shakti, o pólo feminino do divino, presente no Chakra da base Muladhara, se une a Shiva, o pólo masculino do divino presente no chakra sahasrara, no topo da cabeça, resultando no Avatar, a encarnação humana do Divino, do Cósmico. Na tradição esotérica egípcia, o equivalente é a união entre Ísis e Osíris, resultando em Hórus, o Homem-Deus. Tal união é em muitas tradições, a iluminação, a iniciação.

Outro problema é o uso judaico do termo “shekinah”, inda que menos do que o parágrafo anterior. O termo aparece no meio de, pelo menos, um "minyan" de adoradores quando eles oram na congregação, e de dois ou mais judeus quando eles se ocupam no estudo da Torah, ou em um homem quando ele recita o Shema. O shekinah habita no puro, no benevolente, no hospitaleiro e no marido e esposa quando eles vivem em paz e harmonia.

Bom, se “shekinah” representa a presença majestosa de Deus e sua decisão de "habitar" (shakan) entre os homens, podemos aceitá-la como poesia, mas não como doutrina. Essa expressão foi tomada das passagens que dizem respeito à presença de Deus na qualidade de residente no Tabernáculo terrestre entre o povo de Israel (Ex 5.8; Ex 29.45-46; Nm 5.3; Nm 35:34; I Re 6.13; Ez 43.9; Zc 2.14). Teriam os cristãos este discernimento? Portanto, seria irrelevante usá-la visto que a habitação máxima de Deus em nós, hoje, é feita pelo Espírito Santo e não mais por meio das figuras do Antigo Testamento.

Rev. Ângelo Vieira da Silva
Regulae Fidei

Valdemiro dá Ibope para Silvio Santos

segunda-feira, 17 de março de 2014


O apóstolo Valdemiro Santiago ajudou o SBT a derrotar a TV Record em audiência nesse domingo, 16 de março, com sua participação no programa Silvio Santos.

A atração dominical comandada pelo homem do Baú já estava gravada, e contou ainda com a participação do humorista Pedro Manso, que além de imitar o fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus, interpretou também sua versão do bispo Edir Macedo, do pastor Silas Malafaia e do missionário David Miranda, fundador da Igreja Pentecostal Deus é Amor.

No momento que Manso imitou Macedo, Santiago esboçou um sorriso, mas se conteve, assim como fez quando o humorista deu voz às suas versões dos demais líderes evangélicos.

O apóstolo falou ao apresentador Silvio Santos sobre o conteúdo de seu livro, Sê Tu Uma Bênção, publicado recentemente, e de seu começo de ministério como pastor em Minas Gerais. “Eu morava na roça e tinha medo de gente. Jamais poderia imaginar que iria pregar a palavra para multidões”, explicou Santiago.

O apresentador também perguntou sobre a vocação para o ministério, e o apóstolo disse que isso acontece de forma natural: “A primeira coisa é a transformação que Deus faz na sua vida. Isso faz você ter um sentimento que é importante, é nobre. Você entende que Deus te chamou e Ele começa a te usar para socorrer pessoas”.

Segundo o Ibope, durante o horário que o programa Silvio Santos foi ao ar, o SBT registrou média de 9 pontos de audiência no Ibope, com picos de 11. Esses números foram suficientes para garantir a emissora em segundo lugar, atrás da Globo, que marcou média de 18 pontos, e à frente da Record, que registrou 6 pontos de média, de acordo com informações do TV Foco.

Tiago Chagas
GNotícias