A expressão "fundo duma agulha"

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

A expressão de Mateus 19.24 ‘fundo duma agulha’ ou ‘buraco duma agulha’ é literal ou simbólica?”

O contexto desse passo bíblico trata de um jovem rico que amava tanto as suas riquezas que elas lhe serviam de impedimento. A mensagem é clara. Os indivíduos de mentalidade materialista que consomem a vida procurando adquirir bens materiais, só encontram satisfação nas riquezas ou na busca delas; e somente em casos raríssimos é que chegam a se importarem com as questões espirituais para encontrar a vida eterna. 

Porém, seria um erro aplicarmos o texto somente aos ricos, porquanto o materialismo tem realizado a sua devastação moral até mesmo entre os pobres. Ao falar sobre a impossibilidade desse tipo de pessoas entrarem no reino de Deus, Jesus pregou a ilustração que é a impossibilidade de um “camelo passar pelo buraco de uma agulha”. Alguns têm imaginado que o buraco de agulha referido fosse uma portinhola, no muro de Jerusalém, através do qual pudesse passar finalmente um camelo, depois de muitos puxões e empurrões; outros admitem que a expressão camelo, que no grego representa uma pequena modificação de “Kamelos” para “Kamilos”, trata de uma corda grossa ou um cabo, mas isso só diminuiu a impossibilidade do ato. Todavia, o grego de Mateus 19.24 e de Marcos 10.25 fala de uma agulha usada com linha, enquanto que o de Lucas 18.25 usa o termo médico que indicava uma agulha usada nas operações cirúrgicas. 

É evidente que ali não é considerada nenhuma portinhola, mas sim, o pequenino buraco de uma agulha de costura. Provavelmente era um provérbio incomum para ilustrar coisas impossíveis. O Talmude fala por duas vezes de um elefante para o qual é impossível passar pelo buraco de uma agulha. Por conseguinte, quem quer que ame as riquezas, a ponto de isso impedi-lo de confiar em Jesus Cristo como Salvador, está na impossibilidade de ser salvo. 

Em resposta à pergunta feita pelos discípulos: “Então quem pode ser salvo?” Jesus respondeu: “Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus”, Lc 18.27. Nessa frase, as palavras “dos” e “para” são uma só no original, cujo sentido literal é “ao lado”. Tome-se o lado do homem, na questão das riquezas, e torna-se-á impossível a salvação. Porém, tome-se o lado de Deus sobre a questão e a impossibilidade anterior se transformará em possibilidade. 

A Bíblia Responde (Editora CPAD)
Ministério CACP

Unção do GRITOOOO! Será que Deus é surdo???

quarta-feira, 18 de setembro de 2013


Parece que está virando epidemia, hoje 80% das igrejas evangélicas estão aderindo a ideia do GRITE PARA DEUS TE OUVIR! Pastores alucinados e membros ainda mais alucinados não sabem fazer outra coisa se não gritar, gritar e GRITAAAAARRRR!

Há algum tempo atrás eu estava na sala de aula de minha escola, quando, subitamente, um som externo começou a ecoar por toda a sala e, talvez, por todo o colégio. Minha professora, que também é evangélica, perguntou para a turma o que era aquele som e de onde ele vinha. A resposta veio quase que imediatamente: é uma igreja! Eu na mesma hora rebati dizendo: Isso é qualquer coisa, menos uma igreja.

E de fato era qualquer coisa mesmo, pois uma igreja que se diz cristã segue os princípios bíblicos de que o culto deve ser feito de maneira racional (Rm 12:1), com ordem e decência (I Co 14: 40) e que não devemos escandalizar (Mt 18:7). Os adeptos da gritaria dizem que devemos dar liberdade ao Espírito Santo, e que não podemos limitar a ação divina em nós, ou outras coisas do tipo... Há alguns anos atrás teve uma vigília (das 22:00 as 06:00hrs) em frente a minha casa. Até aí tudo bem, vigílias geralmente são muito boas, mas não quando o preletor de tal vigília era um pastor alucinado (também conhecido como pentecostal, fogo puro, etc.) que além de gritar absurdamente alto ainda usava um microfone! Isso mesmo, gritava alto, com microfone mais alto ainda, e de madrugada! Minha casa é a última no terreno com 3 casas, a moradora da primeira casa não é evangélica, e com certeza deve ter xingado muito os "crentes" daquela vigília.

Diante dessas situações, cada vez piores, fico me perguntando se eles não sabem que essas atitudes só contribuem para o endurecimento do coração dos ímpios, pois ninguém que tenha um mínimo de inteligência vai querer entrar numa igreja que parece uma mistura de centro de candomblé com hospício.

Deus é surdo? A Bíblia diz que quando vamos orar, não precisamos gritar, mas "quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente." (Mt 6:6).

Mas, mesmo com esse versículo, muitos ainda dirão que na igreja é diferente, pois lá o Espírito Santo age coletivamente, e a forma Dele agir é assim mesmo, com barulho. Só que a Bíblia não diz isso, pois no Dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo foi derramado, a Bíblia diz que "todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem." (At 2:4) Reparem que a Palavra afirma que eles (mesmo naquele batismo no poder de Deus, movidos pelo Espírito Santo) estavam falando e não gritando. Mais a frente diz: "E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando? (At 2:7) Assim como nesse maravilhoso dia da descida do Espírito Santo, todas as outras citações de batismos no Espírito Santo relatadas na Bíblia não relatam esses alvoroços e gritarias que vemos hoje, pelo contrário, se essas gritarias ocorressem nos dias de Jesus, seriam atribuídas a espíritos malignos e enganadores: "Pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz" (At 8:7a).

Lógico que sentimos vontade de louvar ao Senhor com toda nossa força, com todo nosso ser, mas isso não significa gritar como malucos! Deus não é surdo! Não acredite quando dizem que se orarmos em pensamento ou em voz baixa a oração não passa do teto... Nossas orações não precisam passar do teto mesmo, pois o Espírito Santo, que nos ensina a orar, está conosco, então mesmo que nossas orações e nossos louvores não passem do teto, existe Um do nosso lado que levará nossas súplicas a Deus.

Se cultos com gritarias fossem Bíblicos, o jovem Êutico não teria morrido: E, estando um certo jovem, por nome Êutico, assentado numa janela, caiu do terceiro andar, tomado de um sono profundo que lhe sobreveio durante o extenso discurso de Paulo; e foi levantado morto. (Atos 20:9).

Como já bem disse o grande William Shakespeare: Os vasos vazios são os que fazem mais barulho.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

O Modelo Educacional de Jesus de Nazaré

terça-feira, 17 de setembro de 2013


Quem, visitando a Palestina, percorrer a região que outrora se chamava baixa-Galiéia, encontrará uma cidadezinha de cerca de 30 mil habitantes que tem o nome de En-Nazirah. Terra natal de José e Maria, sitio da Anunciação, residência de Jesus por 28 anos, lugar onde começou a ensinar sua doutrina. Encontra-se ali a Fonte da Virgem, suposto local onde, segundo a tradição, recebeu Maria a saudação do anjo. 

Jesus em Nazaré

Embora os Evangelhos façam poucas referências ao período de cerca de 28 anos que Jesus passou em Nazaré, não é difícil recompor traços da sua vida nessa época. Nos lares hebreus daqueles dias, recebiam as crianças aprimorada educação religiosa. As mães é que cuidavam da instrução dos filhos até que eles chegassem a idade de trabalhar. Então os pais lhes ensinavam ofícios. 

De Nazaré sairá alguma coisa boa? 

Jesus possuía a arte de descobrir as oportunidades que a vida oferece. Falava-se muito mal de Nazaré. O povo daquela região era criticado até por não saberem pronunciarem bem a língua do país. Contavam-se anedotas muito chistosas para mostrar até que ponto a pronúncia dessa gente era defeituosa. Havia mesmo, muito vulgarizada, a expressão: "de Nazaré sairá coisa que boa seja?"... Até mesmo Natanael chegou a dizer: "De Nazaré pode sair alguma coisa boa?" (João 1:46). - Sim, saiu o NOSSO SENHOR JESUS.

O desenvolvimento de Jesus Cristo

Foi integral o Seu desenvolvimento. O evangelista Lucas diz, referindo-se a época em que Jesus morou em Nazaré: "E crescia Jesus em sabedoria e em estatura, e em graça para com Deus e os homens" (Lc 2:52).
Por aí se vê que Jesus cultivava a inteligência (crescia em sabedoria), o físico (crescia em estatura) e a vida religiosa (crescia em graça). Muitas vezes a educação atual não é assim completa. Há quem só cuida do físico e deixa de lado o cultivo da inteligência. Há os que cultivam a inteligência e o físico, mas deixam de lado a vida espiritual. Só pode dizer que possui educação integral quem cuida dela em todos os três aspectos, como fazia Jesus.

Entre Doutores

O longo silêncio que na vida de Jesus corresponde ao período que Ele passou em Nazaré se interrompe com a narrativa de sua visita a Jerusalém. Jesus disse que ficara no Templo para tratar dos negócios do Pai. Quer com isto dizer que desde criança Ele sabia muito bem qual a sua missão na terra. Essa é uma das condições do sucesso na vida. Alguns dos grandes homens que a humanidade reverencia, escolheram muito cedo a sua vocação.

O exemplo de Cristo

Há pessoas que nunca se especializam em coisa alguma, depois quando querem empregar-se apresentam-se alegando que sabem fazer tudo, mas a experiência demonstra que é muito difícil arranjar emprego para quem pensa que entende de tudo, mas nunca teve profissão definida. É bom lembrar que o "programa" traçado por Jesus não era vago e confuso. Tinha tempo bem determinado para cada uma das tarefas a serem executadas. Foi também por isso que algumas vezes, explicando porque é que deixava de agir em certos casos, dizia Ele: "não é chegada a hora". O plano da vida de Jesus era tão exato que tinha até horas marcadas para determinadas ações.

Pr. Adonias Roque de Souza
Semente Apostólica 29/12/1996.

Sobre a Teologia Sistemática

terça-feira, 10 de setembro de 2013


Bom dia amigos, resolvi explicar um pouco sobre o que é a Teologia Sistemática, pois agora os marcadores de assuntos deste blog usa termos dessa área da teologia.

O que é a Teologia Sistemática?

A palavra “teologia” vem de duas palavras gregas que significam Teos = "Deus” e Logos = “palavra”. Combinadas, temos a palavra “teologia”, que significa “estudo de Deus”.
A palavra “sistemática” se refere a algo que colocamos em um sistema. Teologia sistemática é, então, a divisão da Teologia em sistemas que explicam suas várias áreas. Por exemplo, muitos livros da Bíblia dão informações sobre os anjos. Nenhum livro sozinho dá todas as informações sobre os anjos. A Teologia Sistemática coleta todas as informações sobre os anjos de todos os livros da Bíblia e as organiza em um sistema: Angelologia. 

Isto é a Teologia Sistemática: a organização de ensinamentos da Bíblia em sistemas de categorias.

Áreas da Teologia Sistemática:

Teologia Própria é o estudo de Deus, o Pai. 
Cristologia é o estudo do Senhor Jesus Cristo. 
Pneumatologia (ou Paracletologia) é o estudo do Espírito Santo. 
Bibliologia é o estudo da Bíblia. 
Soteriologia é o estudo da salvação. 
Eclesiologia é o estudo da igreja. 
Escatologia é o estudo do fim dos tempos. 
Angelologia é o estudo dos anjos. 
Demonologia Cristã é o estudo dos demônios sob uma perspectiva cristã. 
Antropologia Cristã é o estudo da humanidade. 
Hamartiologia é o estudo do pecado.

A tradição protestante de exposição temática e ordenada de toda a teologia cristã (ortodoxia protestante) surgiu no século XVI, com os Loci Communes de Filipe Melanchton e as Institutas da Religião Cristã de João Calvino.

Com a organização do blog de acordo com a Teologia Sistemática, ficará mais fácil localizar os assuntos.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

Cantores Levitas?

sábado, 7 de setembro de 2013


Está correto chamar os cantores evangélicos de “LEVITAS”? O que é um Levita atualmente?


Resposta: Não é correto. Muitas vezes, os ministros de louvor e músicos evangélicos são chamados de “levitas”. No Novo Testamento não temos referência a ministros de louvor nem a instrumentistas na igreja. Jesus disse que o Pai procura adoradores (João 4:24). O ensino apostólico, por sua vez, incentiva todos os cristãos a prestarem culto ao Senhor, com salmos, hinos e cânticos espirituais (Ef 5:18-20; Col 3:16).

De onde então vem o conceito de “levita”? Tomamos por empréstimo de Israel e do Velho Testamento. Originalmente, “levita” significa “descendente de Levi”, que era um dos 12 filhos de Jacó. Os levitas começaram a se destacar entre as 12 tribos de Israel por ocasião do episódio do bezerro de ouro. 

Quando Moisés desceu do monte e viu o povo entregue à idolatria, encheu-se de ira e cobrou um posicionamento dos israelitas. Naquele momento, os descendentes de Levi se manifestaram para servirem somente ao Senhor (Êx 32:26). Daí em diante, os levitas se tornaram ministros de Deus. Dentre eles, alguns eram sacerdotes (família de Aarão) e os outros, seus auxiliares. Embora os sacerdotes fossem levitas, tornou-se habitual separar os dois grupos. Então, muitas das vezes em que se fala sobre os levitas no Velho Testamento, a referência se aplica aos ajudantes dos sacerdotes. Seu serviço era cuidar do tabernáculo e de seus utensílios, inclusive carregando tudo isso durante a viagem pelo deserto (Números capítulos 3, 4, 8, 18). Naquele tempo, os levitas não eram responsáveis pela música no tabernáculo. Muito tempo depois, Davi inseriu a música como parte integrante do culto. Afinal, ele era músico e compositor desde a sua juventude (I Sm 16:23). Então, atribuiu a alguns levitas a responsabilidade musical. Em I Crônicas (9:14-33; 23:1-32; 25:1-7), vemos diversas atribuições dos levitas. Havia então entre eles porteiros, guardas, padeiros e também cantores e instrumentistas (II Crônicas 5:13; 34:12). Em se tratando do título levita ao Antigo Concerto não é próprio chamarmos os músicos e cantores como integrando um corpo ministerial estranho ao Novo Concerto. 

É resultado do movimento judaizante dos nossos dias. “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.” (Gl 4.9-11)

Pr. Natanael Rinaldi
Ministério CACP

A Reforma Protestante deve continuar

sábado, 10 de agosto de 2013



Ouvi, alhures, um famoso ex-presbiteriano e ex-defensor da Bíblia Sagrada — o qual tem desabsolutizado e negado inúmeras verdades das Escrituras — dizendo que, se Francisco fosse o papa, no século XVI, não haveria necessidade de os reformadores terem iniciado a Reforma Protestante. Bem, vamos voltar um pouco no tempo para ver se isso é verdade. 

Wittenberg, Alemanha, 31 de outubro de 1517. Martinho Lutero publica suas 95 teses, dando início à Reforma Protestante. Ao difundi-las, ele pretende, sobretudo, o esclarecimento teológico de uma questão que o envolve como confessor de seus paroquianos: as indulgências, utilizadas pela cúria romana para satisfazer suas necessidades financeiras. Mas as críticas de Lutero não se restringem às indulgências. Ele se opõe à própria existência do papado — posto que este reivindica a infalibilidade — e à maneira como o papa usa o dinheiro dos fiéis.

À semelhança de Lutero, outros reformadores, como Calvino, Zuínglio, Menno Simons, Henrique VIII, John Knox, Erasmo de Roterdã, etc. se opõem ao papado. Para eles, as Escrituras, a Palavra de Deus, não abonam a infalibilidade do papa e a alegação de que ele é o fundamento da Igreja e sucessor de Pedro.

O que mudou, desde o século XVI, para que hoje não houvesse mais a necessidade de os reformadores continuarem protestando contra o papado? Praticamente, nada! A Santa Sé ainda defende o dogma da infalibilidade do papa. Ou seja, a Igreja Católica Apostólica Romana continua afirmando que o papa — mesmo que ele carregue a própria mala e ande num carro popular —, quando delibera e define solenemente algo em matéria de fé ou moral, está sempre correto. Ela mantém, ainda, a falácia de que a linhagem de Pedro, isto é, o papado, é o fundamento da Igreja.

Ora, a pedra ou o fundamento ao qual Jesus fez referência, quando disse: "eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mateus 16.18), é a própria declaração que Pedro fizera a respeito de Cristo: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" (v. 16). Isso se evidencia no versículo 17: ao elogiar a declaração de Pedro, Jesus afirma: "Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus".

Por que a "pedra" ou o "fundamento" no qual a Igreja foi estabelecida não é Pedro? Porque as Escrituras, que são análogas, afirmam que o fundamento da Igreja é Cristo, e não Pedro. Aliás, esse mesmo apóstolo reconheceu — pregando e escrevendo — que Jesus é a pedra fundamental da Igreja: "Este Jesus é a pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular" (Atos 4.11); "Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa" (1 Pedro 2.4).

Em 1 Coríntios 3.11 também está escrito: "ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo". Note que esta passagem, além de afirmar que Cristo é o único fundamento da Igreja, apresenta uma proibição tácita: não ponha outro fundamento. Em outras palavras, não ponha Pedro, João, Maria ou Francisco. O único fundamento da Igreja é Jesus Cristo!

Diante do exposto, a Reforma Protestante deve continuar. Quem disse que ela acabou? A diferença é que hoje ela é mais abrangente e abarca, também, os desvios verificados na igreja evangélica. Os reformadores que se prezam — isto é, os pregadores e escritores que primam pelas Escrituras — verberam não apenas contra os dogmas romanistas antibíblicos. Eles também se opõem firmemente contra a falaciosa Teologia da Prosperidade, as heresias e os modismos pseudopentecostais, o evangelho antropocêntrico, o legalismo farisaico, a gospelolatria, etc. 

Pr. Ciro Sanches Zibordi 

O Batismo nas Águas

quinta-feira, 8 de agosto de 2013


A palavra “Batismo” significa imergir, ou seja, o batismo é realizado por imersão (Mt 3.16, At 8.38). A ordenança do batismo saiu dos lábios de Jesus e todos os que verdadeiramente acreditam no Senhor têm a alegria de cumprir este mandamento: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28.19).

A Fórmula do Batismo

Alguns argumentam que o batismo tem que ser feito só em nome de Jesus, mas afirmar isso acerca da fórmula batismal é uma prova de falta de conhecimento Bíblico e teológico. Quem pensa assim criou uma fórmula que não existe modelo nas Escrituras. A menção do batismo em nome de Jesus (Atos 2.38; 8.16; 10.48 e 19.5) encontra-se em passagens que não tratam da fórmula batismal, e, sim, de atos ou eventos feitos em nome de Jesus, pois tudo o que é feito em nossas vidas é em nome de Jesus. Veja o que diz o apóstolo Paulo em Colossenses 3.17: “E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai”. O cristão quando se reúne, se reúne em nome de Jesus; Quando louva a Deus com cânticos, louva em nome de Jesus; Quando apresentamos uma criança, apresentamos em nome de Jesus;… e quando realizamos um batismo, realizamos em nome de Jesus, mas de acordo com a fórmula dada por Cristo: “Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo” (Mt 28.19). Os textos do livro de Atos só nos mostram essa realidade e não uma fórmula batismal, veja: Atos 2.38 – “Em nome de Jesus Cristo”; Atos 8.16 – “em nome do Senhor Jesus”. Se essas passagens revelassem a fórmula batismal, seriam iguais, pois qualquer fórmula é padronizada. O que a Palavra está dizendo é que as pessoas eram batizadas na autoridade do nome do Senhor Jesus, mesmo porque não é possível que Pedro, pouco tempo depois da ordem de Jesus, em Mateus 28:19, agisse de modo tão diferente, alterando a fórmula batismal.

O Batismo salva e purifica o homem do pecado?

O batismo não purifica o homem do pecado e nem o salva, essa ideia é desqualificada com um pequeno versículo de I João 1.7: “…e o sangue de Jesus seu Filho nos purifica de todo pecado”. A Bíblia deixa-nos lúcidos quanto ao que nos purifica – O SANGUE DE JESUS CRISTO. Em Marcos 16.16 é nos dito que: “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado”. Não é dito que quem não crer e não for batizado será condenado, mas apenas quem não crer. O ladrão da cruz não teve tempo para se batizar, mas creu no Senhor, aceitou o seu sangue e foi salvo (Lc 23.43).

Quem deve ser Batizado?

Os que devem passar pelas águas do Batismo são aqueles que creram na Palavra, se arrependeram dos seus pecados e querem viver uma nova vida (Mc 16.16, At 2.38, Rm 6.4). As crianças estão isentas dessa ordenança, pois dos tais é o Reino de Deus (Mt 19.14).

O que simboliza o batismo?

“…que também agora, por uma verdadeira figura, o batismo…” (I Pe 3.21). “Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte…” (Rm 6.4). O batismo é uma figura do que acontece com as nossas vidas. É um símbolo da nossa morte e ressurreição com Cristo, pois Jesus morreu por nós e, pela fé, nós morremos com ele naquela cruz. Hoje vivemos em novidade de vida, por termos crucificado o nosso velho homem (Gl 2.19-20).

Pr. João Flávio Martinez

São bíblicas as crenças católicas?

sábado, 29 de junho de 2013

A questão que diz respeito a qualquer igreja e suas práticas deve ser: “São bíblicas?” Se um ensinamento for bíblico (tomado em seu contexto), deverá ser abraçado. Se não for, deverá ser rejeitado. Deus está mais interessado em se uma igreja está fazendo Sua vontade e obedecendo Sua Palavra do que se ela pode traçar uma linha de sucessão que retroceda aos apóstolos de Jesus. Jesus estava muito preocupado com o abandono da Palavra de Deus para seguir as tradições humanas (Marcos 7:7). As tradições não são por natureza inválidas… há algumas tradições boas e de valor. Mais uma vez, a questão deve ser se uma doutrina, prática ou tradição é bíblica. Então, como a Igreja Católica Romana se compara com os ensinamentos da Palavra de Deus?

Salvação: A Igreja Católica Romana ensina que a salvação é pela regeneração batismal e é mantida através dos sacramentos católicos, a não ser que um ato voluntário de pecado seja cometido, ato que quebre o estado de graça santificadora. A Bíblia ensina que nós somos salvos pela graça que é recebida através da simples fé (Efésios 2:8-9), e que boas obras são o resultado de uma transformação que o coração elaborou na salvação (Efésios 2:10; II Coríntios 5:17) e o fruto desta nova vida em Cristo (João 15).

Garantia da salvação: A Igreja Católica Romana ensina que a salvação não pode ser garantida ou assegurada. I João 5:13 declara que a carta de I João foi escrita com o propósito de assegurar aos crentes da CERTEZA de sua salvação.

Boas Obras: A Igreja Católica Romana diz que os cristãos são salvos por obras exemplares (começando pelo batismo) e que a salvação é mantida pelas boas obras (recebendo os sacramentos, a confissão de pecados a um padre, etc.). A Bíblia declara que os cristãos são salvos pela graça através da fé, algo totalmente separado das obras (Tito 3:5; Efésios 2:8-9; Gálatas 3:10-11; Romanos 3:19-24).

Batismo: No Novo Testamento o batismo é SEMPRE praticado APÓS a fé salvadora em Cristo. O batismo não é o meio para a salvação; é a fé no Evangelho que salva (I Coríntios 1:14-18; Romanos 10:13-17). A Igreja Católica Romana ensina a regeneração batismal dos bebês, uma prática jamais encontrada na Escritura. A única indicação possível do batismo de bebês na Bíblia que a Igreja Católica Romana pode apontar é que toda a família do carcereiro foi batizada em Atos 16:33. Contudo, o contexto, em lugar algum, menciona bebês. Atos 16:31 declara que a salvação é pela fé. Paulo falou a todos da casa no verso 32, e todos na casa creram (verso 34). Esta passagem apenas dá apoio ao batismo daqueles que já creram, não de bebês.

Oração: A igreja Católica Romana ensina que os católicos não orem somente a Deus, mas que também façam petições a Maria e aos santos por suas orações. Contrariamente a isto, as Escrituras nos ensinam a orar somente a Deus (Mateus 6:9; Lucas 18:1-7).

Sacerdócio: A Igreja Católica Romana ensina que há distinção entre o clérigo e as “pessoas comuns”, enquanto o Novo Testamento ensina o sacerdócio de todos os crentes (I Pedro 2:9).

Sacramentos: A Igreja Católica Romana ensina que um crente recebe a graça ao receber os sacramentos. Tal ensinamento não é encontrado, em parte alguma, nas Escrituras.
Confissão: A Igreja Católica Romana ensina que a não ser que um crente seja impedido, a única maneira de receber perdão de pecados é confessando os pecados a um padre. Contrariamente a isto, as escrituras ensinam que a confissão de pecados deve ser feita a Deus (I João 1:9).

Maria: A Igreja Católica Romana ensina, entre outras coisas, que Maria é a Rainha dos Céus, a virgem perpétua e co-redentora, que ascendeu aos céus. Nas Escrituras, ela é retratada como uma obediente e confiante serva de Deus, que se tornou a mãe de Jesus. Nenhum dos outros atributos mencionados pela Igreja Católica Romana tem qualquer base na Bíblia. A idéia de que Maria foi co-redentora e outra mediadora entre Deus e o homem não está apenas fora da Bíblia (encontrada fora das Escrituras), mas é também não-bíblica (contrária às Escrituras). Atos 4:12 declara que Jesus é o único redentor. I Timóteo 2:5 proclama que Jesus é o único mediador entre Deus e os homens.

Muitos outros exemplos poderiam ser dados. Apenas estes casos claramente identificam a Igreja Católica como sendo não-bíblica. Toda denominação cristã tem tradições e práticas que não estão explicitamente baseadas nas Escrituras. É por isto que as Escrituras devem ser o padrão da fé e prática cristãs. A Palavra de Deus é sempre verdadeira e de confiança. O mesmo não pode ser dito da tradição da igreja. Nosso guia deve ser: “O que dizem as Escrituras?” (Romanos 4:3; Gálatas 4:30; Atos 17:10). II Timóteo 3:16-17 declara: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.”

Extraído do site gotquestions.org

Qual A Diferença Entre "Orar" e "Rezar"?

sábado, 1 de junho de 2013


Qual é a diferença entre “orar” e “rezar”? A oração do “Pai Nosso” é uma reza? O que há de exemplo na Bíblia?

Se estudarmos a origem latina (rezar em latim é “recito”) da palavra “rezar” vamos descobrir que ela traz um significado de “recitar”, “ler em voz alta”, “apresentar lendo”, “citar”, “pronunciar uma fórmula”, “repetir”, “dizer de cor”. Este estudo da raiz e da significação do termo “rezar” nos mostra que tal palavra se aplica melhor às preces prontas, de autoria de terceiros, que aprendemos e repetimos.
Já o verbo “orar” tem suas raízes no termo latino “oro”, que significa “dizer”, “falar”, de onde também se deriva o termo “oral”, ou seja, “dito”, “falado”. Este entendimento se encaixa melhor com as preces na forma de uma fala, uma conversa. Orar é abrir o coração a Deus, como a um amigo.

A partir de textos Bíblicos temos hoje algumas “rezas’ que são praticadas por cristãos que fazem destes textos suas preces, como por exemplo, os salmos 91, 23, etc. Entretanto não há nenhuma ordem bíblica para que se tomem tais ou outros textos, decore-os e transforme-os em frequente oração.
Existe também o que chamamos de “Oração do Pai Nosso”, que é o texto de Mateus 6:9sp-13. Entretanto, não se pode dizer que era intenção de Jesus determinar que seus discípulos praticassem uma reza, como podemos ver no verso sete, através de Sua admoestação “não useis de vãs repetições”. Este termo (“vãs repetições”) não se refere à repetição de um pedido, mas a um murmúrio vazio e preces longas que confundem verbosidade insignificante com piedade.

Na Bíblia há muitos exemplos de orações. Tais preces sempre se mostram ser uma fala do ser humano para com Deus. Uma conversa espontânea, diferente de um recital decorado. Alguns exemplos podem ser vistos nas orações de Davi (1Cr 29.11-13), Jonas (Jonas 2:1-10), Neemias (Neemias 2:4, etc), Ezequias (Isaías 38:1-5), o ladrão na cruz (Lucas 23:42), o fariseu e o publicano da parábola (Lucas 18:9-14), o Senhor Jesus Cristo (João 11:41-42; Lucas 23: 34; João 17), etc.
A oração é a chave na mão do crente para acessar o trono de Deus. É o meio de comunicação entre você e seu pai de amor. Você pode ser uma grande pessoa de oração. Reserve um tempo especial, num lugar separado, e converse com Deus, sobre suas mais diferentes alegrias e anseios. Ele te ouvirá. Você e Deus ficarão íntimos e você descobrirá em Jesus o seu melhor amigo!

Pr. Joaquim de Andrade
Ministério CACP

O Legado Musical da Comunidade Evangélica do Rio de Janeiro.

terça-feira, 28 de maio de 2013

A Comunidade Evangélica do Rio de Janeiro nasceu no dia 11 de abril de 1981, com trinta e quatro jovens oriundos da Igreja Presbiteriana. Estes jovens eram liderados por Ari Caetano do Nascimento e Maria Denise juntamente com Marco Antônio e Juçara Peixoto. A Comunidade do Rio de Janeiro era separada em duas sedes, a da Vila da Penha, pastoreada por Ari Caetano, e a do Flamengo, pastoreada por Marco Antonio.

Na virada da década de 80 para 90, a Comunidade se separou e suas sedes (Vila da Penha e Flamengo) tornaram-se igrejas independentes. A da Vila da Penha tornou-se a Comunidade Evangélica Cristã da Vila da Penha, que seguiu com o pastor Ari, e a do Flamengo tornou-se a Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul, que seguiu com a liderança do pastor Marco Antonio.

Estes dois ministérios trouxeram consigo o legado musical deixado pela Comunidade Evangélica do Rio de Janeiro, antes da separação, mas a ex-sede da Vila da Penha seguiu de forma mais explícita essa linha musical, enquanto os irmãos do Flamengo seguiram de forma mais tímida.

Já antes da separação, hinos belíssimos eram cantados em todas as igrejas do Brasil: Deus é Soberano, Somos Vencedores, Deus Chama Todos Os Povos, Caiam Por Terra...

A Comunidade da Vila da Penha, após a separação, relançou o disco Ao Que Vencer, com o nome de Vencedores, e relançou o disco Está Chegando o Dia, o que reavivou os antigos hinos.

A Comunidade da Vila da Penha foi o primeiro ministério de louvor a se apresentar ao vivo na Rede Globo, no programa da Xuxa, cantando a música Consagração, interpretada pela jovem Aline Barros, filha de um dos pastores da igreja.

Enquanto os irmãos da Vila da Penha já estavam estourados nas rádios e igrejas com músicas como Rei dos Reis, Tua Palavra, Consagração, Tempo de Guerra, Rasgando os Céus, etc, o ministério da Zona Sul resolveu entrar definitivamente no cenário musical gospel, ao lançar o disco Ventos de Avivamento, após alguns discos independentes que, de tão raros, não constam na discografia oficial da Comunidade e que, além da faixa título, trouxe a música A Incomparável Glória de Deus. O disco seguinte foi ainda melhor, com sucessos como Rompendo em Fé, Incomparável, Pra Deus Não Há Impossíveis...

Assim as duas ex-sedes da Comunidade do Rio de Janeiro seguiram fazendo história na música cristã brasileira, até que a Comunidade da Vila da Penha deixou de ter o louvor como o carro-chefe do ministério, e a Zona Sul fez o caminho inverso, tendo como o Louvor como o principal ministério da igreja.

Hoje a Comunidade da Zona Sul é muito mais influente do que a da Vila da Penha, ao contrário do que foi até meados dos anos 90, tendo ministros de louvor como Edson Feitosa e Aline Barros (que trocou a Vila da Penha pelo Flamengo).

Abaixo segue a rica discografia dos dois ministérios, antes e depois da separação:

 COMUNIDADE EVANGÉLICA DO RIO DE JANEIRO:
1984: Deus é Soberano
1988: Ao que Vencer
1989: Está Chegando o Dia

COMUNIDADE EVANGÉLICA DE VILA DA PENHA:
1989. Vencedores (relançamento de Ao Que Vencer)
1990. Está chegando o dia (relançamento)
1992. Tempo de guerra
1994. Tempo de adoração
1994. Tempo de louvor (com algumas músicas do disco Deus é Soberano)
1995. Rasgando os céus (ao vivo)
1998. Tudo se fez novo
2003. Top of line – 20 anos de louvor e adoração
2004. Adoração somente a Cristo
2008. Vou te tocar

COMUNIDADE EVANGÉLICA DA ZONA SUL:
1991: Mudança Radical
1992: Ser Criança
1992: For The Nation
1996: Ventos de Avivamento
1998: Rompendo em Fé
 2000: Marca de Cristo
 2002: Restituição
 2004: Geração de Apaixonados
 2006: 10 Anos ao vivo
 2008: Confiarei
 2011: A Casa

Vale a pena conferir os belos hinos dos dois ministérios, mas recomendo, principalmente, os da Vila da Penha, que são os mais fieis a raiz da Comunidade do Rio de Janeiro.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

Gays mudam estratégia contra Feliciano.

segunda-feira, 8 de abril de 2013


Sem poder continuar os tumultos na Comissão de Direitos Humanos, a ala gay do Brasil resolveu investir em outra frente: o Youtube. Depois que foram proibidos de fazer protestos no Câmara, os gays infestam o YouTube com vídeos do pastor pregando em sua igreja, sendo alguns muito antigos. Nesses vídeos, o pastor prega contra o homossexualismo e, recentemente, fala sobre John Lennon e os Mamonas Assassinas, dizendo que suas mortes foram castigo de Deus.

Sem entrar nos detalhes de sua mensagem, e até concordando com partes dela, acho que a estratégia dos gays é incitar o povo ignorante contra o pastor. É uma tática digna de pena, pois eles mesmos não tem mais argumentos contra Feliciano, que segue firme na presidência da Comissão.

Acho que os gays deveriam parar de querer a cabeça de Feliciano (sem duplo sentido... ou será que tem?), e defender melhor os seus interesses, que batem de frente contra os preceitos bíblicos pregados pelo pastor.
Continuo afirmando que não gosto desse pastor, mas apoio ele nessa luta contra o homossexualismo, que se alastra por todo o mundo, e invadiu o Brasil de forma assustadora.

Deus dê forças ao seu povo contra essa onda que invade o nosso País, não só do homossexualismo, mas de todas as diversas heresias que estão infiltradas na igreja evangélica brasileira.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

A Papisa Joana

sexta-feira, 1 de março de 2013


A lenda da Papisa Joana conta a história de uma mulher muito sábia que governou a maior igreja do mundo, por dois ou três anos.

Existem diversas versões para tal lenda. Uma delas afirma que Joana havia nascido no oriente, com nome de Giliberta, e vestia-se de homem para estudar Filosofia e Teologia. Sendo o estudo proibido à mulheres, percebemos o quanto uma mulher tornar-se líder da maior instituição da época era  algo grave. Por isso alguns acreditam que os Católicos Ortodoxos possam ter implantado essa lenda para macular o nome da igreja “inimiga”.

Depois de algum tempo, Joana (ainda como homem), impressionara  os doutores da Igreja Católica com sua sabedoria. Após a morte do Papa Leão IV, ela/ele assumiria o cargo papal como João VII. A mesma versão também conta que Joana havia se apaixonado por um guarda suíço e engravidara dele.

Já a versão difundida pelo cronista Martinho de Opava conta que Joana havia nascido na Alemanha, e era filha de um casal inglês. Na idade adulta, casou-se  com um monge e foi morar na Grécia, onde teria se vestido de homem para não causar escândalos. Começou a se chamar Johannes Angelicus, e tornou-se monge, e posteriormente um cardeal (João, O inglês). Após a morte do Papa Leão IV, com voto unânime, tornou-se Papa. Nessa versão também engravidara. A justificativa de ninguém descobrir o fato é que as roupas do Papa são largas o suficiente para não se perceber uma barriga.

Para a morte de Joana também existem duas versões:

Na primeira delas, ela morreu com complicações no parto enquanto os cardeais gritavam ao pé da cama: “É um milagre!”.

Na segunda, Joana teria as dores do parto em meio de uma procissão e morreria apedrejada pelos fiéis, pois eles acreditavam que o trono de São Pedro havia sido profanado.

Até hoje pouco se sabe sobre o quanto há de verdade nessa lenda. Um fato muito peculiar é que uma das cartas do Tarot teria “A Papisa” representa a “sabedoria e a chave de todos os mistérios do mundo”.

Embora haja fortes indícios de que essa história seja verdadeira, não existem (ainda) provas suficientes. Com certeza esse é só um dos muitos segredos que a ICAR esconde.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

A Origem do Carnaval

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O carnaval é uma festa que se originou na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C.. Através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. Posteriormente, os gregos e romanos inseriram bebidas e práticas sexuais na festa, tornando-a intolerável aos olhos da Igreja. Com o passar do tempo, o carnaval passou a ser uma comemoração adotada pela Igreja Católica, o que ocorreu de fato em 590 d.C. Até então, o carnaval era uma festa condenada pela Igreja por suas realizações em canto e dança, que aos olhos cristãos eram atos pecaminosos.

A origem do nome é controversa, mas há os que defendem que seja do latim carnis valles (prazeres da carne).

A partir da adoção do carnaval por parte da Igreja, a festa passou a ser comemorada através de cultos oficiais, o que bania os “atos pecaminosos”. Tal modificação foi fortemente espantosa aos olhos do povo, já que fugia das reais origens da festa, como o festejo pela alegria e pelas conquistas através de cantos e práticas sexuais.

Em 1545, durante o Concílio de Trento, o carnaval voltou a ser uma festa popular. Em aproximadamente 1723, o carnaval chegou ao Brasil sob influência europeia. Ocorria através de desfiles de pessoas fantasiadas e mascaradas. Somente no século XIX que os blocos carnavalescos surgiram com carros decorados e pessoas fantasiadas de forma semelhante à de hoje.

A festa foi grandemente adotada pela população brasileira, o que tornou o carnaval uma das maiores comemorações do país. As famosas marchinhas carnavalescas foram acrescentadas, assim a festa cresceu em quantidade de participantes e em qualidade.

Apoteose

A apoteose consiste em elevar alguém ao estatuto de divindade, ou seja, endeusar ou deificar uma pessoa devido a alguma circunstância excepcional. No mundo antigo esta circunstância era geralmente considerada para os heróis. Para as religiões de mistérios da antiguidade, apoteose constituía o momento ritualístico da união com divino (Uno), ou mesmo, "tornar-se deus".

Rei Momo

A mitologia grega trata Momo, filho do Sono e da Noite, como o deus da zombaria, do sarcasmo, da galhofa, do delírio, da irreverência e do achincalhe. Diante do seu costume de criticar e ridicularizar os outros deuses, a divindade maior do Olimpo perdeu a paciência com ele e o despachou para a Terra, onde o divino deportado passou a ser representado por um jovem tirando a máscara e mostrando o rosto zombeteiro, ao mesmo tempo em que sacudia guizos e apresentava o estandarte da folia que era a razão da sua existência. A coroação de um rei Momo na Terra vem de longa data, pois houve tempo em que na Roma antiga, durante a realização de determinadas festas, o soldado escolhido como o mais belo de todos era quem recebia a coroa de monarca brincalhão, o que lhe dava o direito de comer, beber e brincar até esgotar totalmente suas forças, sem que ninguém o impedisse de fazer coisa alguma. Depois de finda a farra, e ao contrário do que acontece hoje em dia, ele era solenemente levado ao altar do deus Saturno e ali sacrificado com todas as honras que merecia.

Quarta-Feira de Cinzas

É o primeiro dia da Quaresma, período que antecede a páscoa e visa a purificação do carnaval (prazeres da carne), para celebrar a ressurreição de Cristo. A origem deste nome é puramente religiosa. Neste dia, é celebrada a tradicional missa das cinzas. As cinzas utilizadas neste ritual provêm da queima dos ramos abençoados no Domingo de Ramos do ano anterior. A estas cinzas mistura-se água benta. De acordo com a tradição, o celebrante desta cerimônia utiliza essas cinzas úmidas para sinalizar uma cruz na fronte de cada fiel, proferindo a frase “Lembra-te que és pó e que ao pó voltarás” ou a frase “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

Pastor Local x Pastor de TV

sábado, 26 de janeiro de 2013

O pastor local tem ovelhas.
O pastor da tv tem colaboradores.

O pastor local conhece suas ovelhas.
O pastor da tv conhece a câmera da tv.

O pastor local recebe seu salário.
O pastor da tv recebe seu cachê.

O pastor local sente dor quando visita enfermos e presos, faz funerais ou aconselha gente aflita.
O pastor da tv sente dor quando falta dinheiro para manter-se na telinha.

O pastor é criticado com facilidade.
O pastor da tv é elogiado com facilidade.

O pastor local se esforça para desempenhar bem suas muitas atividades.
O pastor da tv se esforça para preparar uma mensagem inesquecível.

O pastor local é cobrado todos os dias.
O pastor da tv cobra dos colaboradores em todo programa.

O pastor local, devido a seu salário, é modesto.
O pastor da tv, por causa da imagem, precisa se vestir sempre com ternos e jóias modernas.

A igreja vigia o pastor local.
A igreja adula o pastor da tv.

A igreja ouve com desconfiança as teses do pastor local.
A igreja acredita em tudo que o pastor da tv fala.

O pastor local teme quando uma ovelha se desvia.
O pastor da tv teme quando sua arrecadação cai.

O pastor local muda de igreja.
O pastor da tv muda de canal.

Pastor Geraldo Magela.

O Esperma de Deus

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013


A polícia de Manaus (AM) prendeu o pastor Cleyson Alves de Souza (foto), 37, sob a acusação de estuprar duas obreiras, uma de 15 e outra de 17 anos. Segundo as vítimas, o pastor as aliciava dentro da igreja e em seguida, as levava para o motel, onde eram violentadas.

Segundo elas, Cleyson prometia ajudar no desenvolvimento da forma física por meio do sexo. Durante as investigações, a polícia descobriu que Cleyson dizia que ejaculava “esperma de Deus” e que tinha de ser engolido pelas jovens “purificar a alma” a alma delas. Além de violentar as meninas, ele ainda, incitava a prática de atos libidinosos mostrando vídeo de um menino de 11 anos sendo violentado com um cabo de vassoura. Uma das vítimas contou que Souza dizia que, por ser pastor, podia ter o corpo da fiel que quisesse.

À polícia, as adolescentes afirmaram que não haviam feito a denúncia antes porque ele as ameaçavas de morte. De acordo com a delegada Linda Glaúcia, Cleyson também se passava por policial.

A DEPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) pediu à Justiça na semana passada prisão preventiva do pastor, após ter recebido a denúncia das adolescentes.

O pastor foi preso quando pregava na Igreja Pentecostal Deus Altíssimo, na região centro-oeste da cidade. A polícia soube que ele estava ali por intermédio de uma denúncia anônima.

Olhar Direto / Correio de Alagoas

O Selo Paraguaio de Renê Terra Nova

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013


Um dia antes de completar 50 anos, o Apóstolo Renê de Araújo Terra Nova recebeu da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos uma homenagem personalizada: Foi lançado um selo comemorativo pelo seu Jubileu de Ouro.

Após as cerimônias de agradecimento e lançamento do selo, o Apóstolo Alexandre, do Ministério Apostólico Ágape, anunciou que, do altar, as 12 primeiras cartas seriam seladas e enviadas para alguns locais estratégicos: Governo de Israel, Presidente Dilma Roussef, Comando Geral do Exército Brasileiro, Estados Unidos (na pessoa do Sr. Almir Passoni), Apóstolo Fábio Abbud (em nome de todos os discípulos da Visao Celular no Brasil), Academia Brasileira de Letras, Prefeitura de Porto Seguro, Governador do Estado do Amazonas, Presidente e Vice Presidente da Câmara Municipal de Manaus, Apóstolo Anselmo e ao Ministério Internacional da Restauração, Sra. Guiomar de Araújo Terra Nova, Apóstola Ana Marita Terra Nova e seus filhos.

Com a palavra de agradecimento, o Apóstolo Renê Terra Nova declarou que estava emocionado e surpreso, e disse:“Está selado no reino do Espírito: Hoje a Visão Celular no Modelo dos 12 virou um selo. Efésios 1:13 diz que cada um de nós fomos selados pelo Espírito Santo. Cada um de nós foi selado como uma carta. Que estas cartas sejam um instrumento de salvação”.

Porém...

O portal Gospel+ investigou o selo apostólico e apresentou sérias denúncias sobre o mesmo, informando que apesar da festa feita pelos seguidores de Renê Terra Nova, a tal homenagem é uma FARSA.

Embora o site do pregador e de sua denominação insistam em afirmar que foi uma honraria concedida pelos Correios, alguns fiéis denunciam que na verdade a homenagem seria apenas um selo personalizado comum que qualquer pessoa pode criar no site da empresa. 

A falsidade foi descoberta após alguns evangélicos terem reparado que o modelo do selo é o mesmo dos disponibilizados na área de criação de selos por pessoas comuns no site dos Correios, basta apenas inserir uma foto para se ter um selo personalizado. No entendimento dos internautas a foto do Apóstolo foi apenas inserida no site e anunciada como homenagem injustamente. O custo do selo personalizado é de R$32 a dúzia, duas folhas com 12 tem o custo de R$24 cada. A denuncia ganhou mais força porque a Assembléia de Deus ganhou um modelo próprio de selo em sua homenagem pelo Centenário, porém, o Apóstolo Renê Terra Nova não tem o seu, mas sim usa o pré-pronto “Ipê-bandeira” disponibilizado no site a um certo tempo. Outra denúncia é que o selo não é vendido ou encontrado em agências dos Correios do Brasil ou do Amazonas. 

A discussão tomou conta de blogs e do twitter após o anúncio da homenagem, muitos defenderam o Apóstolo afirmando que há pessoas tentando discriminar o líder, outros afirmam que ele não sabia do mal entendido. Porém os denunciantes revelam que os Correios exigem que dono da imagem usada no selo personalizado tem que assinar um termo autorizando seu rosto a ser exibido no mesmo, ou seja, Renê Terra Nova sabia e teria participado da criação do selo personalizado na forma como foi divulgado antes até da produção do mesmo, devido a autorização dos direitos de imagem. 

O Apóstolo Renê Terra Nova não é bem visto por muitos evangélicos devido a doutrinas que prega. Sempre envolvido em polêmicas diversas, o líder do MIR 12 teira comprado um jato com dinheiro de ofertas e utilizado de mensagens subliminares durante pregação para conseguir votos para o candidato José Serra na última eleição para Presidente. Recentemente acusou de “desocupadas” as pessoas que o criticam. 

Gospel+ / Genizah Virtual

Teses que precisam ser fixadas em algumas Igrejas atuais.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013


Lutero, sacerdote e professor de Wittenberg, opunha-se totalmente à venda das indulgências.

Quando Tetzel chegou àquela localidade, Lutero redigiu uma lista de 95 queixas e a afixou na porta da igreja, que também servia como quadro de avisos da comunidade. O perdão divino certamente não poderia ser comprado e vendido, dizia Lutero, uma vez que Deus o oferece gratuitamente.
As indulgências, porém, eram apenas a ponta do iceberg. Lutero se rebelava contra toda a corrupção da igreja e pressionava para que uma nova compreensão da autoridade do papa e das Escrituras fosse adotada. Tetzel saiu logo de cena (morreu em 1519), mas Lutero prosseguiu, vindo a liderar uma revolução religiosa que mudou radicalmente o mundo ocidental.

Eu fico me perguntando se eu tivesse vivido aquele grande momento em que Lutero usado por Deus fixou as 95 teses na porta da igreja, que momento, mas o nosso irmão Lutero nem imaginava que muitos anos depois a igreja iria de certa forma retornar a mesmice e indulgencias do passado.
O objetivo desse artigo é afixar algumas teses no coração de algumas pessoas que estão voltando a um Evangelho que com certeza não é o de Cristo.

1) Enquanto de fato as Escrituras Sagradas não forem regra de fé e pratica sempre teremos essas aberrações.

2) Eu não aceito chamar de cristã qualquer igreja que não seja guiada pelas Escrituras.

3) Conversão verdadeira não é algo de lábios ou de uma emoção produzida por um culto, conversão é algo que leva o homem a um estado de reflexão de sua real situação produzindo nele uma mudança de caráter.

4) Denominações não têm e nunca terão poder pra salvar ninguém, qualquer uma que esteja nessa prática é anti-bíblica e herética.

5) Nossa cultura não pode determinar o que é e o que não é pecado, portanto essa idéia de que é pecado por causa da cultura quando a Bíblia não diz nada a respeito sou totalmente contra.

6) A obra de Deus não consiste em fazer cultos e está enfurnados dentro de um templo, muito embora acredite que se faça necessário reunir-se em algum lugar para comunhão e edificação, a adoração não pode estar bitolada só ao templo é algo que pode ser em qualquer lugar desde que se esteja em comunhão com Deus.

7) Não concordo com esse sistema de barganha de dízimos, levando o povo a dizimar por uma questão de obrigação e não de algo espontâneo, líderes que preferem os membros que dão dízimo e os tratam de uma forma diferenciada, isso é nojento, se temos que dar alguma coisa tem que ser por amor e não por uma questão forçada como acontece, uma mistificação do dízimo a ponto de nutrir uma esperança que não existe, este esquema de dízimo anula a providência de Deus que independente se eu dizimar ou não ele vai cuidar de mim, agora minha contribuição para ajudar tem que ser por consciência da necessidade de cada lugar.

8) Eu sou contra pastores que levam o povo a dar a vida por eles, idolatrando-os e achando ser esses homens pessoas intocáveis e livres de qualquer julgamento, sou contra pastores que ostentam seus altos salários enquanto em sua congregação tem pessoas passando até fome, sou contra pastores que estão montados em verdadeiros impérios que pra um servo de Deus que crer na vinda de Jesus sabe que isso é supérfluo. Jesus disse, louco se hoje pedirem tua alma o que tens? Portanto eu protesto contra essa escória eclesiástica.

9) Não concordo com a forma de disciplina que a igreja aplica, a disciplina aplicada pela igreja vai de encontro ao que Jesus ensinou, digo os seus estágios:
a. Vai até ele, se não se arrepender
b. Leva testemunhas, se não se arrepender
c. Leva-o até a congregação, se não se arrepender
d. Trata-o como qualquer um publicano.
Se você notar, a igreja não segue esses padrões. Para mim a disciplina é onde não há arrependimentos, ou seja, se uma pessoa se arrependeu pra que disciplina? Porque a mulher que foi pega em adultério não foi disciplinada? Mas hoje qualquer pessoa que erra é logo exposta a todos, afastada, discriminada, mas nunca tratada. É destrutiva a disciplina eclesiástica, eu concordo que o afastamento seria pra tratamento, não ter uma ideia de afastar pra não contaminar o resto, isso vai de encontro aos princípios do Cristianismo.

10) Eu abomino a famigerada Teologia da prosperidade, porque a mesma feri os princípios do Evangelho puro e simples, levando o homem a esperar do Evangelho solução para os seus problemas financeiros e não o problema do pecado que leva o homem para o inferno, portanto me oponho a ela e acredito que o Deus todo poderoso vai castigar severamente esses infelizes que tem essas práticas.

11) Sou contra os cultos a homens que é praticado por muitas igrejas, que transferem a glória de Deus e a dá ao homem, adoração a Deus vai mais além do que isso que esses ajuntamentos que são mais club´s do que outra coisa, cultos que são homenagem aos artistas que são pregadores, pastores, cantores, apóstolos e outras desgraças dessas.

12) Sou contra essas canções antropocêntricas, que são frutos de uma mente influenciada pelo maligno, levando o povo a uma vida de sonhos e negar a soberania de Deus em todos os aspectos, músicas que em sua maioria são criadas por dois motivos:
a. Uma questão de mercado, ganho, riquezas, sucessos,
b. Pra tirar o povo da verdade, uma obra satânica.

Quero encerrar; têm outras teses que se eu fosse escrever aqui não teria espaço suficiente para todas.
Um forte abraço.

Pr. Lucivaldo Dionísio
Blog da Rô (Mulheres Sábias)

Credo Apostólico

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013


LatimPortuguês
Credo in Deum Patrem omnipotentem,
creatorem coeli et terrae,
et in Iesum Christum,
Filium eius unicum,
Dominum nostrum,
qui conceptus est de Spiritu Sancto,
natus ex Maria Virgine,
passus sub Pontio Pilato,
cruxifixus, mortuus et sepultus,
descendit ad inferno (vel ad inferos),
tertia die resurrexit a mortuis,
ascendit ad coelos,
sedet ad dextram Dei Patris omnipotentis,
inde venturus est iudicare vivos et mortuos,
Credo in Spiritum Sanctum,
sanctam Ecclesian catholicam,
sanctorum communionem,
remissionem peccatorum,
carnis resurrectionem,
et vitam aeternam.
Creio em Deus Pai, todo-poderoso,
Criador do céu e da terra.
E em Jesus Cristo,
seu único Filho
nosso Senhor.
Que foi concebido pelo poder do Espírito Santo,,
nasceu da Virgem Maria,
padeceu sob Pôncio Pilatos,
foi crucificado, morto e sepultado,
desceu à mansão dos mortos,
ressuscitou ao terceiro dia,
subiu aos Céus
está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso,
donde há de vir julgar os vivos e mortos.
Creio no Espírito Santo,
na Santa Igreja Universal,
na comunhão dos santos,
na remissão dos pecados,
na ressurreição da carne,
na vida eterna.

* Achei melhor traduzir o texto completo, incluindo a tradução da palavra "católica" para universal, para evitar que confundam o termo católico com a igreja romana. O texto não faz alusão a Igreja Católica, mas sim a igreja espalhada por todo mundo, daí o termo universal (em latim: católico).

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã